<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8680301\x26blogName\x3dcuidado+de+si\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://curadise.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://curadise.blogspot.com/\x26vt\x3d6413740273964997763', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

[398] para acabar o ano com esperança

31.12.08
joni mitchell, let your little light shine

Entre o coro de Cassandras, que prevê sempre a catástrofe e o coro de Pollyanas, que adora o jogo do «contente» vendo na gota de água no fundo do copo um sinal de quem nem tudo está mal, prefiro fazer votos de um 2009 com esperança em nós próprios: que saibamos responsabilizar-nos pela qualidade das nossas vidas e, sempre que possível, «deixemos que a nossa pequena luz brilhe sobre tudo o que nos rodeia». Joni Mitchell di-lo muito bem: «Let Your Little Light Shine». Para ouvir acompanhando a melodia com a letra. Volume alto de preferência.

[397] da série: «saudades do camandro»

30.12.08
the clash, i fought the law but the law won


Breakin rocks in the hot sun
I fought the law and the law won
I needed money cause I had none
I fought the law and the law won
I left my baby and it feels so bad
Guess my race is run
Shes the best girl that I ever had
I fought the law and the law won
I fought the law and the
Robbin people with a six-gun
I fought the law and the law won
I lost my girl and I lost my fun
I fought the law and the law won
I left my baby and it feels so bad
Guess my race is run
Shes the best girl that I ever had
I fought the law and the law won
I fought the law and the
I fought the law and the law won
I fought the law and the

[396] impressões de Dezembro

29.12.08
que tédio a vida política portuguesa...

[395] psychotherapista on Second Life #3




[394] só para desenjoar do bacalhau da noite e do borrego com castanhas do dia seguinte

26.12.08


Ouvir até ao fim para se ser presenteado com um «Merry Christmas everybody». Intercaladas: Life on Mars (David Bowie), My Way (Frank Sinatra) e One day I'll fly away (Randy Crawford).

[393] da série: my world is very beautiful today

22.12.08


O Bom, o Mau e o Feio de Ennio Morricone na versão fantástica
da Ukelele Orchestra of Great Britain.


Só para desejar boa semana, antes de desejar boas festas.

[392] seminário «Terapia Narrativa de Re-Autoria» (1/3)

21.12.08



Miguel Gonçalves e participantes, na sua maior parte membros da SPPC

[391] a misericórdia e a verdade encontraram-se

19.12.08


«A festa de Babette» de Gabriel Axel


«Mercy and truth have met together.
Righteousness and bliss shall kiss one another.
Man, in his weakness and shortsightedness
believes he must make choices in this life.
He trembles at the risks he takes.
We do know fear.
But no.
Our choice is of no importance.
There comes a time when our eyes are opened
and we come to realize that mercy is infinite.
We need only await it with confidence
and receive it with gratitude.
Mercy imposes no conditions.
And Everything we have chosen has been granted to us.
And everything we rejected has also been granted.
Yes, we even get back what we rejected.
For mercy and truth have met together,
and righteousness and bliss
shall kiss one another.
FELIZ NATAL!

[390] da série: rumbas e maneirismos






O grande PERET numa sequência do filme «A todo gas» (1965)a cantar Tracatrá (sublinhe-se a magnífica presença dos dois acólitos que o seguem e aplaudem pelo palco) e num espectáculo televisivo «Galas del sábado» (TVE - 1969) com a rumba catalã El mig amic:


i enredant per allá
i enredant per aquí
d'aquesta manera
em va pujar a mi

així es guanyava la vida
el meu pare, el mig amic
i el pobre del que li comprava
se'n quedava ben lluit
pero ho feia amb una gràcia
i hi posava tant d'estil
que inclús havia venut trajos
a algun guardia civil

[389] o inglês é que está a dar...

18.12.08
Por que é que na capa deste livro surge «Obra vencedora do Campiello Prize» e não, em italiano, «Obra vencedora do Premio Campiello ou melhor, em português, «Obra vencedora do Prémio Campiello»?!

Bastaria ir AQUI para se perceber que o Prémio Campiello não é Prize nenhum. Apela-se às Thinking Heads da Presence Publisher a little more de care no aprimorar destes little details.
E já agora podia ter sido especificado, para honra do autor e elogio da escolha editorial, que Alessandro Piperno venceu o Campiello de 2005 na categoria Opera Prima (Primeiro Livro publicado).

[388] radar

17.12.08
Sim, ok. Eu também gosto de Esopo, ainda que na versão de La Fontaine (eventualmente com tradução de Bocage)... mas a minha pergunta é: onde é que está a cigarra?

[387] radar

Bem me parecia que ele não chegava ao Natal.

[386] semana difícil... «hanging around»

16.12.08


A qualidade «youtubica» do vídeo não é das melhores, but... who cares?!
Estes jovens, em 78, têm uma pedalada descomunal: the stranglers, hanging around, do álbum rattus norvegicus.
ouvir de volume no máx. eventualmente com «phones de cabeça»

punk's not dead... eh eh eh... fucking great!

[385] da série: «my world is very beautiful today»

12.12.08

The Czars, Paint the moon


[dedicado ao pedro e à rita:
os amigos, distantes,
surgem-nos dentro a toda hora]


I had a dream last night
A nightmare to be exact
We couldn’t take the heat
And the sweat dripped from our backs
I didn’t go I waited for the
Midnight sun
I didn’t want to leave you
‘Cause I don’t have anyone

Don’t paint the sun anymore
Paint the moon, and the stars
In an autumn sky
Paint me cool blue waters, with
Shades of gray, just don’t let me
Live my life this way
Without you

Let it go, let it go
Let it fall down from the sky
And leave this world behind

I saw you suffering, so I knelt
Down by your side, I saw that you
Were fading, that you were leaving
Your own mind
I gave you water just to soothe your
Failing heart and take away the fear
Of what we both know we will find

Don’t paint the sun anymore
Paint the moon, and the stars
In an autumn sky
Paint me cool blue waters, with
Shades of gray, just don’t let me
Live my life this way
Without you

[384] por falar em redenção...

11.12.08


Parece dos Sigur Ros, mas não é. Saiu em 2008, chama-se Dripping Whispers, é criatura dos The Souls Release e foi escolhida como soundtrack do filme Powder Blue (nas salas - americanas -, provavelmente, na Primavera de 2009).

De seguida, o trailer do filme, que, parece, trata de quatro personagens em busca de redenção... Não andamos todos?



[383] da série: «my world is very beautiful today»


(The Shins, Turn on me, do álbum Wincing the Night Away)



You can fake it for a while,
Bite your tongue and smile,
Like every mother does an ugly child.
But the stars are leaking out,
Like spittle from a cloud,
Amassed resentment counting ounce and pound.

You're entertaining any doubt,
Because you had to know that I was fond of you,
Fond of Y-O-U,
Though I knew you masked your disdain.
I can see that change was just too hard for us,
Hard for us.
You always had to hold the reigns,
But where I'm headed, you just don't know the way

So affections fade away,
And do adults just learn to play
The most ridiculous, repulsive games?
On the faith of ruddy sons,
And the double-barreled guns,Y
ou better hurry,Rabbit, run, run, run.
'Cause meeting you was fun,
And there's a lot of hungry howlers in this one cell.
We're taking it over,
Their brittle, thorny stems,
They break before they bend,
And neither one of us is one of them.

And the tails will never mend,
'Cause you had it in for me so long ago.
Boy, I still don't know,
I don't know why and I don't care,
Well, hardly anymore,
If you'd only seen yourself hating me.
Hating me,
When I've been so much more than fair.
But then you had to lay those feelings bare,
One thing I know still got you scared,
You're all that cold iron,
And never once aired of our dead.

You had to know that I was fond of you,
Fond of Y-O-U.
So I took your licks at the time,
And to change like that is just so hard to do,
Hard to do.
Don't let it whip-crack your life,
And bow out from the fight,
'Cause oh, how your sisters will write.
The worst part is over,
Now, get back on that horse and ride.



[382] postalinhos de natal

Boas festas para todos nós!

[381] Aforismos natalícios

Neste, e nos próximos dias, de calendarização dos afectos, a receber e a dar, há que manter a calma. As «festas» que se aproximam são como uma constipação ligeira: surgem, incomodam um pouco – sem impedir de fazer o que é importantemente quotidiano -, e depressa se vão. Mezinhas, caldos e pachos de água fria… eis tudo o que é preciso!

[380] da série: «my world is very beautiful today»

9.12.08
The Oscillation, cover de Head Hang Low de Julian Cope


All is lost
In bright confusion
Once that loss
Was far away
Frightened man
In deep division
Frightened man
With head hang low
You may sit alone like me
But, please, don’t be alone like me
My world’s very beautiful today
Patron saint
Of lost illusion
Come and paint
My world in grey
I am lost
With no companions
All are bowed
With head hang low
You may sit alone like me
But, please, don’t be alone like me
My world’s very beautiful today

[379] notícias da sppc

Nos dias 23 e 24 de Janeiro de 2009 Tammie Ronen virá a Lisboa (anfiteatro da FPCEUL) orientar seminário e workshop subordinados ao tema: «O USO CRIATIVO DE TÉCNICAS EM PSICOTERAPIA».

The workshop will present a positive psychology model for helping clients to help themselves. The model will focus on empowering clients by increasing their positive forces and resources rather than by decreasing pathology. The importance of creativity will be present as a way to facilitate treatment outcomes in general and for creating emotional change in particular.Various techniques will be presented: the way to use imagery, metaphors, drawing, sculpturing etc.The participants will practice the use of various techniques and learn the way to apply them in therapy.Example on how to relate these techniques will be given relating to anxiety, aggression, trauma, anorexia etc.


Tammie Ronen é professora na Universidade de Tel-Aviv. Foi, durante muitos anos, presidente da Israeli Association for Behavior and Cognitive Therapy. Para além de fazer parte do quadro editorial de inúmeras revistas científicas como , por exemplo, a Constructivism in the Human Science, Tammie publicou vários artigos e livros (por exemplo, Cognitive Developmental Therapy with Children ; Cognitive Constructivist Psychotherapy with Children and Adolescence ; In and Out of Anorexia).

Para mais informações ver no portal da Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Construtivistas.

[378] melodias de antigamente: green is the colour

Pink Floyd, Green is the colour, ao vivo em St. Tropez, 1970


Heavy hung the canopy of blue
Shade my eyes and I can see you
White is the light that shines through the dress that you wore
She lay in the shadow of a wave
Hazy were the visions of her playing
Sunlight on her eyes but moonshine beat her blind everytime
Green is the colour of her kind
Quickness of the eye deceives the mind
Envy is the bond between the hopeful and the damned

Um dos temas mais belos dos Pink Floyd (da série «best song ever» que pulula pelo You Tube). Para além da fantástica melodia (com um acorde de quarta de exatasiar!) os rapazes lutavam, ainda, por uma segurança em palco que só viria com o passar dos anos. Repare-se como Roger Waters abana a cabeça como que a dizer que o ritmo estava lento ou o som péssimo e que a culpa era das teclas de Rick Wright... E David Gilmour a olhar incessantemente para Waters (a requerer confirmação?) e a enganar-se na letra ao repetir o terceiro verso em vez de cantar o sexto... São fantásticos, não são? Se fosse uma love song era, sem dúvida, dedicada à Charlotte «Bomba Inteligente» para que ela «hoje acord(asse) assim...»

[377] notícias da sppc

7.12.08
TERAPIA NARRATIVA DE RE-AUTORIA MIGUEL GONÇALVES - Seminário aberto a Psicólogos clínicos a realizar na FPCEUL Alameda da Universidade Lisboa, nos dias 20.12.2008 10.01.2009 14.02.2009

Módulo Teórico de 20 horas integrado na Especialização em Psicoterapia 2008-09. Decorre em regime pós-laboral (sábados) ao longo de 6 sessões presenciais:

2 Sessões a 20 de Dezembro de 2008,
sábado:9.30h-13.30h S1 ; 14.30h-17.30h S2
2 Sessões a 10 de Janeiro de 2009,
sábado:9.30h-13.30h S3 ; 14.30h-17.30h S4
2 Sessões a 14 de Fevereiro de 2009,
sábado:9.30h-13.00h S5 ; 14.30h-17.00h S6
Para mais informações ver portal da Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Construtivistas

[376] gaivota (?) no tejo... maré vazante

6.12.08

[375] o que ele já foi... e como, agora, está!

(fotografia de JS, autores do modelo: VV e JS)

[374] o que ele já foi... e como, agora, está!

(fotografia de JS, autores do modelo: VV e JS)

[373] Leituras em progressão

«Hoje sei que há beleza e beleza; e isto vale também para os lugares, não só para as pessoas. Aqui não há desertos rendilhados pelo vento ou montanhas sobranceiras aos lagos, baías que abraçam o mar e ilhas no fio do horizonte, há apenas uma serena fiada de vinhas ordenadas, chãs e ladeiras; e há quem ouça uma música com cheiro a bosque depois da chuva. Quem a trabalha, à terra, finge não vê-la, à beleza: acha uma cisma de preguiçosos parar a contemplar o vale quando a sombra o alaga ou o sol inunda o bosque e desenha um caminho. Não é desprezo ou desatenção, apenas hábito. A terra é a terra, o bosque é o bosque e a vinha é a vinha. E ninguém perde tempo a recordar quando foi erguida – por obra sabe-se lá de quem – a torre de San Biagio, toda virada a norte, com o musgo a roer-lhe as pedras. Alguns chamam-lhe Torre da Vingança, ainda que de lá de cima não se veja quase nada por causa do nevoeiro persistente. No meu coração sempre achei que se deveria chamá-la Torre da Vingança. Uma vingança gentil, entenda-se; talvez nem mesmo o termo «vingança» seja o certo, seria melhor dizer despique ou desforra, e não apenas a minha pessoal, mas a de todos aqueles que nesta aldeia nasceram e morreram ao longo dos anos, e que arrancaram ao bosque um metro de terreno após outro, que cavaram com a enxada levantando torrão a torrão, tentando não olhar para aquele horizonte de bosques íngremes, infindos como as ondas do mar.»


[Benedetta Cibrario (2007). Rossovermiglio. tradução de José JC Serra]

[372] Leituras terminadas

«Os números primos apenas são divisíveis por 1 e pelo próprio número. Estão no lugar que lhes é próprio na infinita série dos números naturais, esmagados, como todos, entre dois, mas um passo mais além relativamente aos outros. São números desconfiados e solitários e, por isso, Mattia achava-os maravilhosos.
Por vezes achava que tinham ido parar por engano àquela sequência, que tinham ficado lá aprisionados como pequeninas pérolas num colar. Outras vezes, ao invés, desconfiava que também eles gostassem de ser como os demais, apenas uns números quaisquer, mas que por algum motivo não haviam sido capazes. O segundo pensamento surgia-lhe sobretudo à noite, no emaranhado caótico de imagens que antecede o sono, quando a mente está demasiado débil para mentir a si mesma.
Numa cadeira do primeiro ano Mattia estudara que entre os números primos há alguns que ainda são mais especiais. Os matemáticos chamam-lhes primos gémeos: são pares de números primos que estão próximos um do outro, aliás, quase próximos, pois entre eles existe sempre um número par que os impede de se tocarem realmente. Números como, por exemplo, 11 e 13, 17 e 19, 41 e 43. Tendo paciência para continuar a contá-los descobre-se que estes pares se vão tornando progressivamente mais raros. Descobrem-se números primos cada vez mais isolados, perdidos naquele espaço silencioso e cadenciado feito apenas de cifras e nota-se o pressentimento angustiante que os pares encontrados até aí foram um facto acidental, cujo verdadeiro destino é o de ficarem sozinhos. Depois, quando se está prestes a desistir, quando já não se tem vontade de contar mais, eis que se descobrem, abraçados, mais dois gémeos. Entre os matemáticos é convicção comum que por mais que se avance na contagem, existirão sempre mais dois, ainda que ninguém saiba dizer onde, até serem descobertos.
Mattia achava que ele e Alice eram assim, dois primos gémeos, sós e perdidos, próximos mas não o suficiente para se tocarem realmente. A ela nunca lho dissera. Quando imaginava confessar-lhe estas coisas, a fina camada de suor sobre as suas mãos evaporava-se por completo e durante uns bons dez minutos não era capaz de tocar em nenhum objecto».
[Paolo Giordano (2008). La solitudine dei numeri primi. tradução de José JC Serra]

[371] castelo do trevim... a partir de santa clara!







(clicar nas imagens para ver em ponto grande)

Não sei se foi do incêndio de 2005, que rapou os cumes que rodeiam Coimbra, ou se é a máquina do anónimo fotógrafo a ter um óptimo alcance. O resultado, de todos os modos, é fascinante: neve no Trevim a servir de pano de fundo à Lusa Atenas.
[As quatro fotografias foram despudoradamente roubadas ao Piolho da Solum]


Site Meter Listed on Blogwise Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License.