<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8680301\x26blogName\x3dcuidado+de+si\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://curadise.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://curadise.blogspot.com/\x26vt\x3d6413740273964997763', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

[71] Prémio Trilussa 2004 (ver posta 58): Eduardo Prado Coelho em «A língua, as culturas»

Comecei o dia bem cedo. Às 6.45 da manhã já estava na Estação do Oriente a bebericar o habitual café e a ler as primeiras letras do dia. A vida é dura, poderia pensar alguém. Mas para me aliviar das penas de existir, veio em meu auxílio «O fio do horizonte», coluna que Eduardo Prado Coelho assina no Público. A respeito do colóquio internacional sobre a língua portuguesa, lia-se a certa altura (repare-se na circularidade linguística e na repetição enfática de alguns termos):

[...] As múltiplas configurações linguísticas [...] não podem deixar de ter consequências na imagem e na realidade do português, na medida em que todo o contacto com o outro altera o mesmo, que deixa de ser o mesmo, para passar a identificar-se com o outro. Só que o outro está já a identificar-se com o mesmo e deste modo o mesmo vai já a caminho de ser outro. O resultado final nunca chega a ser final, porque os dois se vão aproximando em função de um terceiro que é a incógnita deste processo.
Foi ainda a muito decidida proclamação da importância fundamental do ensino pré-escolar. É nestas idades que tudo se começa a formar e que estruturas, hábitos, rotinas se vão instalando no sujeito, de forma a darem ao sujeito a sua capacidade de ser sujeito.

Agradeço a EPC por me ter conseguido arrancar uma gargalhada tão cedo pela madrugada. E se é verdade que os intelectuais também têm direito a dias duros e menos acertados, por outro lado, nunca pensei que uma página de apontamentos tirados durante o referido colóquio internacional - que EPC, aliás, «comissariou» (do verbo «comissariar») -, produzissem efeitos tão benéficos sobre o estado de espírito. Mas não foi Martin Heiddegger (1987, Carta sobre o Humanismo, Lisboa, Guimarães Editores, 33) quem disse que «no pensar, o ser tem acesso à linguagem», que «a linguagem é a casa do ser», que «nesta habitação do ser mora o homem, e que «os pensadores e os poetas são os guardas desta habitação»? E tão bem que EPC guarda esta habitação!
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

» Enviar um comentário


Site Meter Listed on Blogwise Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License.