<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8680301\x26blogName\x3dcuidado+de+si\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://curadise.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://curadise.blogspot.com/\x26vt\x3d6413740273964997763', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

[216] Este corpo que somos

1. Talvez não nos questionemos sobre o que o nosso corpo experimenta. Ou apenas nos preocupemos com a revisão anual a que o submetemos para lhe permitir circular sem percalços. Ou talvez o consideremos um ilustre desconhecido remetido para a categoria dos pesos a suportar - mais um - numa vida abnegada e rotineira que nos vê protagonistas entre a casa, o trabalho e o caminho entre os dois.
2. Mas este corpo que somos, este corpo que temos, na sua realidade concreta e carnal, no «aqui e agora» da vida, é um símbolo que nos dá a posição exacta do homem no universo. O corpo é símbolo que une: o exterior com o interior; o que está em cima com o que está em baixo; a superfície com a profundidade.
3. Se formos homens e mulheres atentos é suficiente que observemos com atenção aquilo que o corpo faz, algumas das suas capacidades, para criarmos uma espécie de filosofia de vida corporal. Imagine-se, pois, uma espiritualidade corporal, passe o paradoxo, que orienta a nossa vida segundo cinco parâmetros, como as faces de um pentaedro.
4. O nosso corpo indica-nos, antes de mais, que façamos experiência da sua verticalidade. Somos o homo erectus, que, no seu endireitar-se primordial, se eleva do chão e afirma-se como ser que caminha, impelido pela energia interior do desejo, para o que está em cima, para o transcendente que dá sentido e engloba a existência.
5. O equilíbrio é outra experiência fundamental que o corpo nos convida a viver. Os primeiros passos da criança e o vacilar alquebrado do idoso são os extremos de uma parábola, ascendente e descendente, que diz urgência exterior de encontrarmos a nossa posição autónoma no mundo e imperativo interior de nos harmonizarmos ao nível psico-espiritual (os sentimentos, as cognições, os comportamentos, as motivações...).
6. O corpo coloca-nos também perante a experiência do respirar e do bater ritmado do coração, movimentos arcaicos e sempre renovados, que nos fazem sintonizar com o pulsar do próprio universo, aliás, com a vida do próprio Criador. Quantas vezes a eles nos ancoramos para o relaxamento ou para a oração!
7. Por fim, a experiência dos sentidos é o momento alto de uma espiritualidade corporal. O homem alienado «olha sem ver, escuta sem ouvir, toca sem sentir, come sem saborear, movimenta-se sem ter consciência física e inala sem se aperceber do cheiro ou da fragrância» (Leonardo Da Vinci). A espiritualidade corporal convida-nos a «sentir tudo de todas as maneiras» (Álvaro de Campos) e a proclamar com a nossa existência a oração do poeta:


obrigado Meu Deus por mais este espantoso
dia:pelos saltitantes e virentes espíritos das árvores
e um azul autêntico sonho celeste;e por tudo
o que é natural o que é infinito o que é sim

(eu que morri estou hoje vivo de novo),
e este é o dia de anos do sol;este é de anos
o dia da vida e do amor e asas:e do alegre
grande evento ilimitavelmente terra)

como poderia saboreando tocando ouvindo vendo
respirando qualquer-erguido do não
de todo o nada-ser simplesmente humano
duvidar inimaginável de Ti?

(agora os ouvidos dos meus ouvidos despertam e
agora os olhos dos meus olhos estão abertos)

(e.e.cummings)

8. Há cuidado de si quando se cria uma saudável auto-pedagogia do corpo. Esta deverá implicar, pelo menos, os seguintes movimentos de crescimento: abolir o desprezo do corpo; superar o culto do corpo; recusar a indiferença em relação ao corpo; aliar-se ao corpo e aceitá-lo, fazendo dele um guia de vida espiritual - segundo os parâmetros já referidos -; usufruir das potencialidades do corpo e, por fim, mas mais importante de tudo, aprender a entregar o próprio corpo «ao amor, ao ardor, altruísmo e dedicação» (T. S. Eliot).
« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

1:28 da manhã

sim. sim. eu acredito que o corpo vai lutar pelo direiro à sua importância real, a importância mais efectiva para não dizer óbvia. o ancestral corpo-como-ponto-de-partida-e-de-união foi morto pelo corpo-cabide.    



10:21 da manhã

Este corpo que seu te da la bienvenida de nuevo.

Leo rápidamente tu post y pienso en la metamorfosis que sufre mi cuerpo con la medicación. ¿Se desequilibra o busca torpemente el equilibrio con mi mente?

Apricas
Blue Thing    



2:12 da manhã

«... diciamo piuttosto che non riformeremo forse il mondo, ma almeno noi stessi che, dopo tutto, siamo una piccola parte del mondo; e che ciascuno di noi ha sul mondo più potere dì quanto non immagini... (Ad occhi aperti)»


marguerite yourcenar- diáriodematilde    



» Enviar um comentário


Site Meter Listed on Blogwise Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License.