<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8680301\x26blogName\x3dcuidado+de+si\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://curadise.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://curadise.blogspot.com/\x26vt\x3d6413740273964997763', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

[156] aligeiramento da existência vs. consciência trágica

(e. hopper, pessoas ao sol)


[...] o aligeiramento é o equivalente moderno daquilo a que chamamos a libertação ou a redenção nas religiões clássicas como o cristianismo. Aquele que aligeira substitui aquele que salva, é a quintessência dos tempos modernos.

Um erro? Sim, talvez. Claro que é um erro para uma cultura passar-se por cima da questão da libertação, é um erro para os homens mostrarem-se mais leves do que aquilo que podem sê-lo. Mas seria também um erro apelar à tragédia com a única finalidade que tudo reencontre a sua digna dureza e que nós possamos de novo enfeitar-nos com a nobreza ontológica do peso.

Para mim, o compromisso entre o leve e o pesado exprime-se da seguinte maneira: tanto aligeiramento quanto for possível, tanta consciência trágica quanta for necessária.

[P. Sloterdijk (1999). Ensaio sobre a intoxicação voluntária. Lisboa. Fenda]


« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

6:25 da manhã

You do your best to avoid tragedy but sometimes you don't even have the choice... Por exemplo: Pessoa ainda parece que pôde escolher - e a ironia permitiu-lhe evitar a tragédia. Mas a Sá-Carneiro não o salvou da tragédia a ironia - e poetas como Holderlin não tiveram escolha. Em teoria tudo é possível. Mas há o destino.

(abraços, José, pelos magníficos posts)    



7:26 da tarde

Ah, amigos, pero la tragedia, a veces, nos da el atractivo de la trascendencia... :)

Buscar la autenticidad no es una lucha fácil.

Saludos,
Blue Thing    



2:33 da manhã

tanta consciencia tragica quanto for necessaria, tanto aligeiramento quanDo for necessario    



8:14 da manhã

tanto aligeiramento quanto for possível, tanta consciência trágica quanTa for necessária.    



» Enviar um comentário


Site Meter Listed on Blogwise Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License.