<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8680301\x26blogName\x3dcuidado+de+si\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://curadise.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://curadise.blogspot.com/\x26vt\x3d6413740273964997763', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

[130] «...o amor terá bastado...»

(Alfred Gockel, Sunshine)

«Num livrinho hoje desconhecido, intitulado A ponte de São Luís Rey, o escritor americano Thornton Wilder inventa uma personagem, o irmão Junípero, que, numa pequena aldeia peruana, tenta responder a uma questão impossível: se Deus é justo e bondoso, então deve haver uma contabilidade, uma lógica entre a prática do bem e do mal.
Incentivado por esta questão, o herói investiga a morte acidental de cinco pessoas quando atravessavam uma ponte num dos muitos desfiladeiros que cortam os Andes. A sua busca é inútil: os bons muitas vezes sofriam mais do que os corruptos, os depravados e os malvados gozavam não somente de boa saúde, mas de uma vida repleta de coisas agradáveis.
A descoberta do irmão Junípero é belíssima, eu cito:

Em breve, porém, morreremos todos e toda a recordação (desses cinco) terá deixado o mundo, e nós mesmos seremos amados um pouco e, depois, esquecidos. Mas o amor terá bastado, pois todos esses impulsos do amor voltam ao amor que os criou. Nem a memória é necessária ao amor. Há uma terra dos vivos e uma terra dos mortos e a ponte entre elas é o amor: o único sobrevivente, o único significado.

No dia em que eu partir para o nada, para o céu e para o esquecimento ao qual todos estamos destinados, fiquem seguros de que a minha foi balizada por esse amor».
(Roberto Damatta, Porque morremos)

« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

5:33 da tarde

Caro Che,
Parece-me que o teu blog se tornou um ponto de encontro para muito do que senti e que a vida se encarregou de apagar...ou que eu apaguei da minha vida.
Mandei o teu endereço a todos os meus mais queridos Amigos é muito importante que leiam o que escreves e vejam as imagens que escolheste para ilustrar o teu blog...desculpa ao contrario de ti eu escrevo um pouco mal, não quero poluir o teu espaço com o meu arremedo de pseudo...mas vou continuar a ler e a passar palavra...sejas muito culto...ou very resourcefull, fazes-me pensar e trazes-me bem estar :)provavelmente so ate amanha ou ate á proxima crise...    



» Enviar um comentário


Site Meter Listed on Blogwise Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License.