<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d8680301\x26blogName\x3dcuidado+de+si\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://curadise.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://curadise.blogspot.com/\x26vt\x3d6413740273964997763', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

[119] Narrar a cidade: o pátio


[John Ruskin, A courtyard at Abbeyville (1858)]


Logo no primeiro instante há um fascínio que o pátio acende... Talvez pela antiguidade - é de finais do século XV -, talvez pela riqueza dos elementos - as janelas, a porta (e, por cima dela, a escada de madeira), a pipa, o arco, as pedras, os instrumentos de jardinagem, o nicho de Nossa Senhora, os vestígios de uma parreira... -.

Se eu passasse por aqui, numa manhã quente, veria uma cena familiar: uma manta estendida no chão, quadrada e abundante - o meu mundo de então -, com um rebento em panos de bebé, sentado no meio. Ladeia-o uma menina de cinco anos, com puxinho, de vestido branco curto, com dois bolsos, sapatos brancos e meias dobradas, da mesma cor. De pé, parecendo o homem de Vitrúvio, o pai: de mãos nas ancas, pernas alargadas e sorriso na boca, vestido de calças e camisa da mesma cor azulada. A mãe, de carrapito, bonita e exuberante, desce os dois degraus que, da cozinha, dão para o pátio: traz um vestido cor de rosa às florzinhas roxeadas e na mão uma locomotiva de brinquedo.

Dou-lhe um título: a manta no pátio.

« Home | Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »
| Next »

» Enviar um comentário


Site Meter Listed on Blogwise Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License.